Ela foi ao médico com uma dor de cabeça severa, Infelizmente faleceu 2 dias depois. Agora, os médicos tentam avisar todas as mulheres sobre a causa…

Uma dor de cabeça severa é normal para aqueles que sofrem de enxaqueca, é isso que Charlotte “Lee” Broadway da Carolina do Norte e seu marido pensaram quando ela começou a se sentir mal.


O casal conhecia-se desde a escola, se casaram e tiveram 4 filhos, mas nunca pensaram que uma dor de cabeça seria o fim de sua história de amor. No mesmo dia, o casal foi ao hospital para procurar algum analgésico para controlar a situação desesperada da mulher, e não suportava a dor de cabeça intensa, mas o que nunca imaginaram foi que, já a situação se agravara e era um caso de vida ou a morte.

“Desde que Lee sofre de enxaqueca, a dor de cabeça nunca me preocupou”. Eric, o marido disse à Lee. No entanto, desta vez ele se preocupou, achando que algo estanho estava acontecendo, e que já não era normal a dor de cabeça intensa. Lee teve um aneurisma cerebral, uma doença cerebrovascular que ocorre quando um pequeno vaso sanguíneo enfraquece e o sangue se agita em conjunto, causando uma pequena bolha que pressiona o cérebro.

Quando ocorre um aneurisma, existem duas opções possíveis, primeiro que a pressão sobre o cérebro é maior e a segunda que o vaso sanguíneo se rompe e começa a sangrar. O segundo produz uma dor de cabeça terrível e imensa, que pode ser confundida com uma grande enxaqueca.


Os principais sintomas de apresentar um aneurisma cerebral são: dor de cabeça forte, desejo de vomitar, apreensão, desmaio ou perda de consciência, fraqueza nos braços e pernas e falta de sensibilidade em uma parte do rosto, entre outros.

Se detectado no tempo, existe a possibilidade de operar como medida preventiva. Conhecer os sintomas e ir imediatamente ao seu médico pode ser a diferença entre a vida e a morte. Infelizmente Lee morreu dois dias depois de entrar no hospital e alguns dias antes de completar 42 anos.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.